• +351 21 800 89 48
  • secretariado@apah.pt
50 Anos Administração Hospitalar em Portugal In noticia

APAH celebra os 50 anos da Administração Hospitalar em Portugal

Cerimónia Comemorativa dos 50 anos da Administração Hospitalar em Portugal, decorre dia 24 de abril, 14h30, no Salão Nobre da Escola Nacional de Saúde Pública, em Lisboa.

A iniciativa promovida pela Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares  (APAH) e Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) está inserida nas Comemorações dos 40 anos do Serviço Nacional de Saúde.

Em Portugal, a Profissão de Administrador Hospitalar, então chamada de “provedor”, já vem expressa no “Regimento do Hospital de Todos os Santos” de 1504. Mas é com a revista “Hospitais Portugueses, editada em 1948 por Coriolano Ferreira, que a criação da profissão é relançada

Desde o primeiro número, Coriolano Ferreira diz ao que vem:

Necessitamos não só dos edifícios e do seu recheio mas sobretudo de bons médicos, bons enfermeiros e bom pessoal administrativo – tornado este no sentido estrito. (Para extremar e definir princípios, afirmamos aqui que entendemos a administração como sendo aquele conjunto de regras que se destinam a extrair de uma unidade de produção a maior utilidade pelo menor custo possível. Considerando o hospital como unidade produtiva, e dado este sentido lato de administração, é obvio que todas as atividades, desde as de construção às curativas, desde as burocráticas às económicas, desde as industriais às de natureza social, enquanto se subordinam à finalidade de “utilidade máxima pelo menor custo possível” têm a sua projeção no plano administrativo). A formação técnica dos médicos e a dos enfermeiros está entregue a escolas próprias. Mas o pessoal administrativo, esse é que, até hoje, não tem onde aprenda nem quem o ensine (…). Entre nós, tirando duas ou três exceções, vivemos em pleno domínio do amadorismo e das improvisações que, embora bem intencionadas, estragam muito dinheiro que é sangue da nação (…)”.

Nos anos subsequentes, a administração hospitalar vai alastrando pelos hospitais portugueses num contexto de controvérsia em que se discutia, com vários pretextos, a quem devia ser entregue o poder nos hospitais: médicos, e de entre estes, docentes universitários de Medicina, ou figuras de emanação política. Ao mesmo tempo, reforçando a argumentação favorável à profissionalização da administração hospitalar, e seguindo à distância o percurso dos Estados Unidos onde esta opção surgira no final da década de 20 do século passado, defendia-se a criação de uma formação específica.

Como diretor-geral dos Hospitais (desde 1961) prepara o Estatuto Hospitalar e Regulamento Geral dos Hospitais, estabelecendo pela primeira vez a natureza empresarial do hospital e desenvolvimento dos recursos humanos, iniciando as carreiras de médicos, enfermeiros, administradores e farmacêuticos:

“A administração dos hospitais (…) tornou-se tarefa de profissionais, com preparação cuidada e estatuto adequado, visto que a mobilização de meios financeiros e humanos nos serviços de saúde atinge enorme volume e os prejuízos decorrentes de uma gestão pouco esclarecida podem ser importantíssimos, tanto do ponto de vista económico como social e humano”.

Em 1968, o Decreto-lei n.º 48.357 e o Decreto-lei n.º 48.358, ambos de 27 de abril, criaram a carreira de Administração Hospitalar em Portugal e definem que:

“…os estabelecimentos e serviços hospitalares devem organizar-se e ser administrados em termos de gestão empresarial…”

Nesse ano, são enviados seis jovens a França para se diplomarem em administração de hospitais na École Nationale de Santé Publique em Rennes (atual École des Hautes Études en Santé Publique – EHESP): Raúl Moreno RodriguesEduardo Sá Ferreira,  José António Meneses Correia, António Correia de Campos, Cristiano de Freitas e António Menezes Duarte.

Nesta sequência, em 1969 é criado, na Escola Nacional de Saúde Pública e de Medicina Tropical, o Curso de Especialização Administração Hospitalar, tendo-se iniciado em outubro de 1970 a sua primeira edição. Nos anos seguintes, são os alunos deste curso que apoiam a implementação da Reforma do Ministério da Saúde lançada por Baltazar Rebelo de Sousa e Gonçalves Ferreira em 1971 e o desenvolvimento do Serviço Nacional de Saúde desde 1979 até aos dias de hoje. Sem o compromisso e a qualidade técnica destes profissionais da administração de serviços de saúde, o sucesso destas importantes reformas certamente seria outro.

1.º Curso de Administração Hospitalar 1970/1971

1.º Curso de Administração Hospitalar 1970/1971

O desenvolvimento do sistema de saúde depende de pessoas para pessoas. Ao longo do último meio século, entre as massas anónimas que deram a sua vida pela melhoria da saúde dos portugueses, destaca-se uma plêiade de cidadãos que deram o melhor de si a servir o interesse público na construção de melhores e mais eficientes serviços de saúde. Esta Cerimónia é nossa homenagem a todos eles, acreditando que preservando difundindo os seus testemunhos as  novas gerações prossigam motivadas na defesa dos desafios da universalização dos cuidados de saúde em Portugal.

Nesta Cerimónia, entre outros momentos de homenagem ao contributo dos Administradores Hospitalares para a construção do Serviço Nacional de Saúde, será feita a atribuição das distinções aos sócios Honorários e de Mérito, a entrega do Prémio Coriolano Ferreira ao melhor aluno do Curso de Especialização em Administração Hospitalar (CEAH) em 2018 e a apresentação publica do Livro50 anos em 20 olhares. O percurso da Administração Hospitalar em Portugal”.

Conheça todos os detalhes da Cerimónia e Programa.  A APAH disponibiliza a possibilidade de ASSISTIR EM DIRETO via LIVESTREAMING a toda a Cerimónia através do seu “Canal APAH | Gestão em Saúde” no YouTube e na sua página no Facebook.

Saiba mais sobre o Prémio Coriolano Ferreira

https://apah.pt/iniciativas-projetos/premio-coriolano-ferreira/