Usamos cookies para lhe garantir uma melhor experiência de navegação no nosso WebSite. Ao prosseguir, está a declarar aceitar todas as cookies do site da APAH.
Política de Privacidade | Saiba mais sobre as nossas cookies

_0035_FotoInterior-CH-Sao-Joao---Atrium-Hospitalidade-HSJ image
Home||Eventos||CAMINHO DOS HOSPITAIS||ULSM

ULSM

No passado dia 15 de março o Caminho dos Hospitais rumou a norte, ao Hospital Pedro Hispano (HPH) na Unidade Local de Saúde de Matosinhos, E.P.E. (ULSM). A APAH foi acolhida pelo Conselho de Administração (CA) da instituição que partilhou a sua visão e os desafios sobre diversas matérias inerentes ao seu funcionamento. De seguida, a APAH reuniu com os Administradores Hospitalares da ULSM e ouviu as suas preocupações e questões relativamente a matérias laborais.

No período da tarde teve lugar uma sessão debate sobre “A integração de Cuidados: Uma experiência de 2 décadas feita futuro”. Refira-se que este evento contou com a maior participação de sempre, sendo que a assistência foi recebida por Victor Herdeiro, presidente do CA da ULSM, por Pimenta Marinho, presidente da Administração Regional de Saúde do Norte, I.P. e também por Alexandre Lourenço.

Como nota de abertura, o presidente da APAH comentou a chamada “visão hospitalocêntrica do sistema”, apelando, ao invés, ao conceito de “hospital aberto à comunidade”. A esse respeito, Alexandre Lourenço aproveitou para elogiar o modelo de funcionamento da ULSM.

A sessão debate incluiu uma conferência proferida pelo cardiologista Professor Damião Cunha, que dissertou sobre a experiência de duas décadas do HPH em termos de integração de cuidados. Para este médico, a organização em departamentos, que caracteriza aquela unidade, “é o melhor regime administrativo para um hospital” e isso também “veio favorecer a segunda fase da integração com os cuidados de saúde na periferia”.

Para além de Taveira Gomes, diretor clínico da ULSM, também Miguel Guimarães, Bastonário da Ordem dos Médicos, foi convidado a comentar o tema da conferência do Professor Damião Cunha, deixando claro que “o doente está em primeiro lugar e protegê-lo é saber aquilo que nós podemos e devemos fazer e quais são as responsabilidades que, de facto, ele pode acatar aos diversos profissionais de saúde”.  “Se não damos informação ao doente não lhe estamos a dar o poder que ele deve ter para poder decidir onde quer ser tratado. Falar em liberdade de escolha no Serviço Nacional de Saúde sem este pressuposto é falso. Não funciona. A liberdade de escolha acaba por não ser verdadeira, porque o doente não tem a informação necessária”, afirmou o Bastonário da Ordem dos Médicos.

Houve, ainda, lugar na sessão à apresentação de uma abordagem conceptual sobre a temática em análise realizada pela Dra. Ana Dias, Presidente da Assembleia Geral da Portuguese Association for Integration of Care (PAfIC), bem como a apresentação de alguns casos práticos, nomeadamente:

1. Internamentos evitáveis por causas sensíveis ao ambulatório, por Graça Lima, do Serviço de Planeamento e Controlo de Gestão da ULSM;
2. Um percurso na integração de cuidados: a experiência CH e Universitário, por José Barros, Diretor Clínico do Centro Hospitalar do Porto, E.P.E.;
3. Projeto de integração de cuidados paliativos e o doente crónico complexo, por Maria Céu Rocha, Coordenadora da equipa de cuidados paliativos da ULSM; 
4. Tele-monitorização remota em Cardiologia, por Fátima Silva, da Vitalmobile Health Portugal

Como conclusão, foi consensual que o contributo das experiências existentes e de soluções que emergem dos agentes económicos têm servido de força motriz à implementação de uma abordagem integrada dos cuidados de saúde, quer a nível horizontal quer vertical. Esta é hoje uma exigência imperiosa que se coloca ao nível das Unidades Locais de Saúde e dos Centros Hospitalares e da sua articulação com os restantes níveis de cuidados e com a comunidade, existindo, ainda, muitos espaços de melhoria e de consolidação de práticas que urge assegurar implementar, a bem da qualidade dos serviços prestados aos utentes e da eficiência e resultados obtidos. 

A iniciativa Caminho dos Hospitais, que arrancou no final de setembro de 2016, com um debate promovido pela APAH no Hospital do Espírito Santo, E.P.E., em Évora, já incluiu no seu roteiro o Centro Hospitalar Cova da Beira, E.P.E. (novembro), o Centro Hospitalar do Porto, E.P.E. (dezembro) o Centro Hospitalar Lisboa Norte, E.P.E. (fevereiro) e a Unidade Local de Saúde de Castelo Branco E.P.E. (Abril).

 

Veja a reportagem fotografica em: https://justnews.pt/galeria/album/caminho-dos-hospitais-unidade-local-de-saude-de-matosinhos

APAH reune com os colegas da ULS Matosinhos
 

Alexandre Lourenço, Taveira Gomes, Victor Herdeiro, Margarida Filipe, Damião Cunha,
Cristina Gavina (diretora do Departamento Médico da ULSM), Artur Osório (primeiro 
presidente do Conselho de Administração do Hospital Pedro Hispano) e Miguel Guimarães.