EnglishPortuguese
Área Reservada
  • Av. do Brasil 53, 1749-002 Lisboa
  • +351915780796
Homenagem Augusto Mantas

Homenagem a Augusto Mantas, João Urbano e Margarida Bentes

DETALHES DO EVENTO :

  • Data:2018-01-17
  • Horário:09:00
  • Localização:Escola Nacional de Saúde Pública
Programa Live Streaming

 

A Escola Nacional de Saúde Pública, a Sociedade Portuguesa da História dos Hospitais e a Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares têm a honra organizar a Homenagem a Augusto Mantas, João Urbano e Margarida Bentes.

Esta sessão evocativa terá lugar no dia 17 de Janeiro de 2018, na Escola Nacional de Saúde Pública.

Esta sessão pretende evocar a obra do Professor Augusto Mantas e dos projectos de inovação da gestão hospitalar, nos anos 80, com apoio dos Estados Unidos da América, sob a liderança dos Drs. João Urbano e Margarida Bentes.

Augusto Mantas, sócio honorário da APAH

Augusto Mantas (1926-1997)

Sócio Honorário
João Urbano

João Urbano (1940-2016)

Administrador Hospitalar
Margarida Bentes

Margarida Bentes (1956-2009)

Administradora Hospitalar

Estes três vultos da Administração em Saúde em Portugal marcaram a evolução do sistema de saúde português nas últimas três décadas do Século XX.

Três personalidades diferentes com características e percursos distintos.

Três personalidades unidas pela capacidade de liderança e inovação no Serviço Nacional de Saúde.


Programa Live Streaming

 

 

50 anos

50 anos da Carreira de Administração Hospitalar

Esta sessão enquadra-se nas comemorações dos 50 anos da Carreira de Administração Hospitalar criada por proposta de Coriolano Ferreira, através do Decreto-lei n.º 48 357 de 1968, de 27 de abril. Este Diploma aprova e publica o Estatuto Hospitalar. No mesmo dia, é também aprovado e publicado em anexo o Regulamento Geral dos Hospitais através do Decreto-lei n.º 48 358. Estes diplomas fundacionais foram publicados no dia 27 de abril de 1968.

“A administração dos hospitais, (…), tornou-se tarefa de profissionais, com preparação cuidada e estatuto adequado, visto que a mobilização de meios financeiros e humanos nos serviços de saúde atinge enorme volume e os prejuízos decorrentes de uma gestão pouco esclarecida podem ser importantíssimos, tanto do ponto de vista económico como social e humano.”